Petróleo sobe da mínima de 9 meses com cortes na oferta do Golfo dos EUA, dólar mais fraco

Por: Abudo Omar
Data: 28/09/ 2022
Visualizações: 121


O furacão Ian é rastreado ao sul da Flórida em 26 de Setembro de 2022, pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (oedigital)

O petróleo subiu mais de 1% nesta terça-feira em relação à mínima de nove meses do dia anterior, apoiado por cortes de oferta no Golfo do México antes do furacão Ian e uma ligeira desvalorização do dólar.

As expectativas dos analistas de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, conhecidos como OPEP+, possam tomar medidas para conter a queda dos preços cortando a oferta também deram suporte. Opep+ se reúne para definir política em 5 de Outubro.

O petróleo Brent subiu US$ 1,26, ou 1,5%, para US$ 85,32 por barril. Na segunda-feira, caiu para US$ 83,65, o menor desde Janeiro. O petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) dos EUA subiu US$ 1,06, ou 1,4%, para US$ 77,77.

O petróleo disparou no início de 2022, com o Brent chegando perto de sua máxima histórica de US$ 147 em Março, depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, aumentando as preocupações com a oferta. As preocupações com a recessão, as altas taxas de juros e a força do dólar pesaram desde então.

"O petróleo está actualmente sob a influência das forças financeiras", disse Tamas Varga, da corretora de petróleo PVM. “Enquanto isso, comícios de socorro, como o desta manhã causado pelo furacão Ian no Golfo dos EUA, são vistos como fenômenos temporários”.

Uma calmaria na força do dólar americano, que anteriormente atingiu uma alta de 20 anos, forneceu algum suporte. Um dólar forte torna o petróleo mais caro para o comprador que usa outras moedas e tende a pesar sobre os activos de risco.

Os cortes na oferta voltaram ao foco na terça-feira, dando algum apoio. A BP e a Chevron disseram na segunda-feira que encerraram a produção em plataformas offshore no Golfo do México quando o furacão Ian se aproximou da região.

A queda de preços levantou especulações de que a Opep+ poderia intervir. O ministro do petróleo do Iraque disse na segunda-feira que o grupo estava a monitorar os preços e não queria um aumento acentuado ou um colapso.

"Apenas um corte de produção pela Opep+ pode quebrar o impulso negativo no curto prazo", disseram Giovanni Staunovo e Wayne Gordon, do banco suíço UBS.

Fonte: Offshore Engineer


Notícias Destacadas

Notícias Recentes