• Entrar / Cadastrar
blog entry

PRODUÇÃO DE ENERGIA EM TEMANE: Estudos confirmam viabilidade da central

O projecto da Central Térmica de Temane (CTT), com capacidade de geração de 100 Megawatts (MW) de cenergia, está actualmente na fase de conclusão de estudos, perspectivando-se que a sua construção seja lançada no início do próximo ano.

Avaliado em cerca de 700 milhões de dólares norte-americanos, o empreendimento resulta de uma parceria entre a Electricidade de Moçambique (EDM), a petroquímica Sasol, que explora gás natural no área norte de Inhambane, e a Globcleg, uma firma que detém unidades de geração de energia em vários países de África.

Informações avançadas há dias pelo Ministério dos Recursos Minerais e Energia indicam que, entre os estudos em finalização, destaque para o de avaliação do impacto ambiental e social, incluindo o respectivo plano de gestão ambiental e social, e um quadro de planificação de reassentamento.

Foram já concluídos os estudos complementares, como de quantidade e qualidade de água, inquérito de rotas, transbordo “offshore” e chegada à margem, assim como de transporte rodoviário do equipamento pesado até ao local da futura central, risco de cheias, desminagem e preparação da documentação preliminar para o concurso de empreitada.

A concretizar-se, a CTT será o maior empreendimento de produção de electricidade construído desde à independência nacional. Tem a vantagem de usar gás natural extraído de poços nacionais e com tecnologia amiga do ambiente, uma questão fundamental numa altura em que são mais visíveis os impactos das mudanças climáticas.

Abordado pelo “Notícias” a nossa fonte, Ernesto Max Tonela, ministro dos Recursos Minerais e Energia, disse que a CTT está devidamente alinhada com a linha de transporte de energia Temane-Maputo, cujo projecto foi lançado na semana passada.

Explicou que se avançou primeiro com a linha de escoamento de energia por ter um período de construção relativamente mais longo em relação à central.

De facto, as obras da linha de 563 quilómetros de extensão e três subestações em Vilankulo, Chibuto e Matalane arrancam em Junho do próximo ano, devendo estar operacionais em finais de 2023, coincidindo com a conclusão da central.

Fonte: Jornal Noticias

 

RELACIONADAS

Comentários

RECENTES