• Entrar / Cadastrar
blog entry

Empresa chinesa suspende operação petrolifera na Venezuela

Uma empreiteira chinesa de petróleo suspendeu as obras de um projecto de expansão na Venezuela porque não recebeu pagamento, destacando as dificuldades enfrentadas pelo regime de Nicolás Maduro, mesmo em empreendimentos de energia apoiados por aliados.

A China Huanqiu Contracting and Engineering Corporation, uma filial da estatal China National Petroleum, notificou a joint venture Sinovensa que havia suspendido as actividades para expandir a capacidade de uma instalação de mistura de petróleo em 57%, para 165 mil barris por dia, segundo documento visto pela Bloomberg e por uma pessoa com conhecimento do assunto.

A decisão contrasta com os comentários da estatal Petroleos de Venezuela no mês passado, que havia anunciado uma segunda expansão para elevar a produção para 230 mil barris por dia no projecto, cujo controle é dividido entre a PDVSA e a CNPC, maior empresa de energia da China.

A paralisação é outro golpe para a Venezuela, que depende cada vez mais de petroleiras russas e chinesas para sustentar um sector que enfrenta um bloqueio económico por parte do governo Donald Trump. A Chevron e quatro empresas de serviços de campos petrolíferos dos EUA deixarão de operar no país latino-americano no fim de Outubro, a menos que as isenções às sanções sejam estendidas, o que afectará potencialmente quase metade das plataformas de perfuração em operação no país.

Um gerente de projecto da HQC, como a empreiteira chinesa é conhecida disse em notificação à Sinovensa que a empresa devia mais de US 52 milhões em facturas desde 2018 e que estava suspender as actividades a partir de 3 de Setembro. A joint venture é um projecto-chave da região do Orinoco, na Venezuela, que possui as maiores reservas de petróleo do planeta e actualmente representa cerca da metade da produção restante do país.

Fonte: O Petróleo

 

RELACIONADAS

Comentários

RECENTES