Portuguesa Galp diz que segurança é imprescindível em Moçambique para construir fábricas de GNL

Por: Abudo Omar
Data: 09/04/ 2022
Visualizações: 130


Uma plataforma offshore (clubofmozambique)

A portuguesa Galp Energia, parceira de um consórcio de gás liderado pela Exxon Mobil em Moçambique, disse na quinta-feira que espera começar a construir usinas onshore no país em 2024, mas apenas se a segurança for garantida primeiro.

Moçambique tem lutado com militantes ligados ao Estado Islâmico na província de Cabo Delgado, no extremo norte, desde 2017, perto de projectos de gás natural liquefeito (GNL) no valor de mais de 50 biliões de dólares.

“Muitas pessoas perderam a vida”, disse o CEO da Galp Energia, Andy Brown, em conferência de imprensa. “A segurança precisa ser garantida… Há muitos bons sinais, mas levará algum tempo”, disse ele, acrescentando que um projecto onshore pode ser construído em 2024, no mínimo.

Devido à escalada dos ataques no ano passado, o grupo francês Total suspendeu o seu projecto de GNL de US$ 20 biliões em Abril de 2021 e logo após o consórcio Exxon-Mobil adiar a decisão final de investir ou não.

A Galp detém 10% do consórcio Exxon-Mobil, cujo investimento estimado é de 30 mil milhões de dólares ao longo de vários anos. O outro grande parceiro é a ENI da Itália.

Brown disse que a Total está a analisar “oportunidades para voltar”, mas espera que a “vida normal seja retomada”. A Total disse em Janeiro que pretendia reiniciar o projecto este ano.

“Quando construímos lá, precisamos ajudar as comunidades… construir uma comunidade estável e vibrante em torno das instalações é uma coisa importante a fazer antes de trazer pessoas para construir as usinas”, disse Brown.

Um ataque em Março de 2021 à cidade de Palma, às portas do projecto da Total, levou Moçambique a aceitar tropas estrangeiras de Ruanda e de um bloco de nações da África Austral para ajudar a reprimir a insurgência.

Embora essas medidas tenham ajudado Moçambique a recuperar o terreno perdido, os confrontos com insurgentes e ataques menores continuam.

 

Fonte: Club of Mozambique


Notícias Destacadas

Notícias Recentes