Presidente de Moçambique garante segurança às empresas ocidentais de energia em região conturbada

Por: Abudo Omar
Data: 15/09/ 2022
Visualizações: 255


Filipe Nyusi na Cimeira de Gás e Energia de Moçambique (clubofmozambique)

O presidente moçambicano, Filipe Nyusi, pediu às empresas de energia ocidentais que retomem o trabalho na província de Cabo Delgado, dizendo que a segurança melhorou em torno da cidade de Palma. Mas os confrontos continuam entre as forças federais e outros aliados africanos contra militantes islâmicos.

Ao discursar na Cimeira de Gás e Energia de Moçambique em Maputo quarta-feira, o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, garantiu aos investidores estrangeiros que a situação de segurança na conturbada Província de Cabo Delgado, norte do país, melhorou.

Ele disse que os moradores estavam de volta para a cidade de Palma e outras áreas que haviam abandonado por causa de ataques terroristas.

Nyusi instou as empresas de energia ocidentais a fazerem o mesmo. Disse que o sucesso no combate aos terroristas nos distritos de Mocímboa da Praia e Palma melhorou a estabilidade desde os ataques à vila de Palma.

Mas os ataques dos insurgentes na semana passada se espalharam para a província de Nampula, no norte de Moçambique.

As autoridades disseram que os militantes atacaram várias aldeias, decapitaram seis moçambicanos, mataram uma freira italiana, raptaram três pessoas e incendiaram dezenas de casas.

Os militantes islâmicos estão ligados ao Estado Islâmico e se autodenominam al-Shabab, embora não tenham conexão directa com o grupo militante somali de mesmo nome.

Em Março de 2021, a Total Energies da França interrompeu a exploração de um grande campo de gás e uma usina de US$ 20 biliões no norte de Moçambique após ataques de militantes islâmicos.

Não houve resposta imediata das empresas de energia ao apelo de Nyusi para retornar.

O CEO da Total Energies disse em Abril que a empresa não esperava retomar os trabalhos em Moçambique, que tem a terceira maior reserva de gás conhecida de África, até 2023.

A província de Cabo Delgado tem sofrido ataques cada vez mais violentos dos insurgentes desde 2017, muitos visando cidades e comunidades próximas ao projecto de gás.

Os críticos culpam o projecto por alimentar a insurgência por não investir o suficiente para desenvolver a região empobrecida.

O conflito deixou milhares de moçambicanos mortos e mais de 800 mil deslocados.

Tropas de Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral ajudaram a retomar as cidades dos insurgentes, mas não foram capazes de conter ou acabar com os combates.

Fonte: Club of Mozambique


Notícias Destacadas

Notícias Recentes