Itália deve aumentar a capacidade de GNL em 2023, diz CEO da Eni

Por: Abudo Omar
Data: 16/09/ 2022
Visualizações: 247


Cláudio Descalzi, presidente-executivo da Eni (sweetcrudereports)

A Itália deve aumentar a sua capacidade de importação de gás natural liquefeito (GNL) a partir do próximo ano, disse o presidente-executivo do grupo de energia Eni nesta quarta-feira.

A Itália já garantiu importações adicionais de gás da Argélia e da Noruega para compensar a queda no fornecimento da Rússia, mas precisa de terminais adicionais de GNL para receber mais combustível de vários países, disse Claudio Descalzi numa conferência de negócios.

Descalzi disse que o grupo estatal, que no ano passado importou cerca de 21 biliões de metros cúbicos (bcm) de gás da Rússia de um total de 29 bcm importados pela Itália, substituirá pouco mais de 50% do abastecimento de Moscovo a partir deste inverno.

No inverno de 2024-2025, a Eni terá substituído 100% do gás russo, disse Descalzi.

“Se o inverno não tiver períodos de frio excessivos, poderemos fazê-lo graças aos estoques de gás 90% cheios e fluxos (gás) desses países”, disse Descalzi, referindo-se à possibilidade de a Itália sobreviver sem as importações de Moscovo.

“A Argélia agora dobrou os seus fluxos de gás para a Itália em comparação com o passado”, disse Descalzi.

“Depois temos outras contribuições, como a da Noruega. No futuro também teremos contribuições do Egipto, Nigéria, Angola e Congo via GNL.”

A actual capacidade de GNL da Itália está quase saturada, disse ele.

À medida que a Gazprom da Rússia começou a reduzir o gás entregue à Europa por meio de gasodutos após a invasão da Ucrânia este ano, a Itália e a Alemanha se voltaram para o GNL, que é transportado por navios.

A Rússia chama as suas acções na Ucrânia de “uma operação militar especial”.

Este ano, a operadora de rede de gás italiana Snam, controlada pelo estado, comprou duas unidades flutuantes de armazenamento e regaseificação (FSRU).

A Alemanha arrendou cinco FRSUs este ano, dois deles devem estar disponíveis este ano.

Fonte: Sweet crude reports


Notícias Destacadas

Notícias Recentes